domingo, 4 de novembro de 2018

COMO DEVO ME VESTIR - pelo espírito de Scheilla


Scheilla-espírito


 Muitos pensam que o vestir é um fato sem importância. Como se enganam! As vestes são de real valor, mesmo para nós, no plano em que habitamos. Tudo, na natureza, as vestes, de acordo com o ambiente em que se vive. Por vezes, temos muitos invólucros em diferentes dimensões. 

Existem, contudo, normas espirituais para as vestimentas, sintetizadas pela simplicidade, ou seja, sem arrogância, sem o luxo desnecessário, sem desperdício. Os revestimentos são para proteger, agasalhar, emprestar às pessoas os toques da moralidade vigente, para evitar o escândalo. São, pois, um complemento da personalidade. Vê os pássaros dos Céus e os Lírios dos campos, as sementes e os frutos, e terá uma ideia da beleza, aliada à simplicidade. E sem desleixo, que seria o outro extremo.

A Terra se encontra vestida, por camadas diversas, para compor-se, como mãe dadivosa. A palavra é revestida do magnetismo próprio de quem fala, impregnada de sentimentos. Sucessivamente, tudo que fazes carece de roupagens que asseguram tua marca, para os devidos destinos.

Falando aos jovens, não podemos nos esquecer da virtude de trajar com descrição. Há indumentárias, principalmente no mundo atual, que falam mais do que a palavra, acerca do que se passa por dentro das criaturas. São vestes desleixo, trajes orgulhos, roupas sexo, vestuários tristeza, vestimentas que esquecem o pudor. Por aí, podes tirar um bom comportamento. 

A singeleza, desde que bem interpretada, nos traz um bem estar indivisível, pois o que a propicia é a conquista de virtudes. Por causa disso, meu irmão, procura revestir os teus pensamentos, de moralidade. Enroupar os teus ideais, de fraternidade cristã. Adornar a tua palavra, com a alegria. Enfeitar os teus gestos, com a caridade. Envolver as tuas amizades, com o manto do perdão.
Resguarda a tua vida, utilizando-te da honestidade, que os envoltórios espirituais se irão formando aos poucos. Terás, com o passar do tempo, as vestes nupciais de que nos fala o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Não gostas do livro, principalmente do livro em flor, aquele que nos educa, instruindo nossos passos? Pois o papel se cobre de letras elevadas, de luz moralizadora, e de amor e carinho de quem o escreve. Vê o quanto valem as vestiduras, no lugar certo e no momento exato.

O espírito, para ter uma função na matéria, reveste-se de carne. O corpo físico, esse engenhoso aparelho, de uma sublimação maravilhosa, que a própria Ciência desconhece, tens outros envoltórios para se manter na sua diligência. E o próprio espírito, mesmo desencarnado, apresenta-se no duplo etérico por necessidade.

Os indumentos para o corpo físico são os mais grosseiros. Contudo, são indispensáveis, na sociedade. Aprende meu filho, a trajar com decência, para que não venhas a servir de motivo de escândalos. Se te apegares ao Evangelho de Jesus, principalmente no lar, a Sua luminosa inspiração dar-te-á os caminhos do entendimento: de como te congires para apresentar-se com parte da sociedade.

Texto extraído do livro Chão de Rosas – João Nunes Maia  pelo espírito de Scheilla

Nenhum comentário:

Postar um comentário