domingo, 21 de abril de 2019

NOS DIAS DIFÍCEIS

Nos dias difíceis, reflete nos outros dias difíceis que já se foram.

Depois de atravessados transes e lutas que supunhas insuperáveis, não soubeste explicar a ti mesmo de que modo os venceste e de que fontes hauriste as forças necessárias para te sustentares e refazeres, durante e depois das refregas sofridas.

***

Viste a doença no ente amado gravidade estranha e, sem que lograsses penetrar o fenômeno em todos os detalhes, surgiram a medicação e a providência ideais que o arrebataram da morte.

Experimentaste a visitação do desânimo diante dos obstáculos que te gravaram a vida, mas sem que te desses conta do amparo recebido, largaste o desalento das trevas e regressaste à luz da esperança.

Crises do sentimento que se te afiguravam invencíveis, pelo teor de angústia com que te alcançaram o imo da alma, desapareceram como por encanto, sem que conseguisse definir a intervenção libertadora que tem restituiu a tranquilidade.

Sofreste a ausência de seres imensamente queridos, chamados pela desencarnação para tarefas inadiáveis em outras faixas de experiências, entanto, sem que despendesses qualquer esforço, outras almas abençoadas apareceram, passando a nutri-te o coração com edificante apoio afetivo.

***

Tudo isso, entretanto, sucedeu porque persististe na fé aguardando e confiando, trabalhando e servindo, sem te entregares à deserção ou à derrota, ofertando ensejo à bondade de Deus para agir em teu benefício.

Nas dificuldades em andamento, considera as dificuldades que já venceste, e compreenderás que Deus, cujo infinito amor te sustentou ontem, sustentar-te-á também hoje.

Para isso, porém, é imperioso permanecermos fiéis ao cumprimento de nossas obrigações, uma vez que a paciência, no centro delas, é o dom de esperar por Deus, cooperando com Deus, sem atrapalhar.

Emmanuel
Livro Rumo Certo  - psicografia de Francisco Cândido Xavier











Nenhum comentário:

Postar um comentário